"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

terça-feira, 29 de março de 2011

Critérios II

Uma adaptação de "CRITÉRIO" - de Luís Fernando Veríssimo  - para representação teatral em Escola Pública.


Critério

Narradora: 

( ...entra diante do cenário já montado com os demais atores ao fundo e fala com clareza para o público )

" Os náufragos de um transatlântico, dentro de um barco salva-vidas perdido em alto-mar, tinham comido as últimas bolachas e contemplavam a antropofagia como único meio a sobrevivência"

Ela se afasta do centro e observa as cenas que se seguem.)

Aluno 1  - É, mano, as mulheres devem nos servir primeiro! ( propôs um cavalheiro emergente, embalado em grifes dos pés à cabeça...)

Aluna 2 - Não! Seu monstro! (... muitos protestos femininos e tumulto no bote)

Aluno 3 - As damas? De jeito nenhum!!! ( indigna-se  o jovem, enquanto as mulheres respiram aliviadas... e completa ...) Os mais velhos devem se doar para garantir a nossa sobrevivência!

Aluna 4 - Oh! Jovem infame! Não percebe que somos difíceis de mastigar
( Pondera a senhora, depois do susto,  sem perder a pompa )

Aluno 5 - Por que não -  os jovens -, sempre tão dispostos a gestos nobres
( Protesta outro idoso, trêmulo de frio e de pavor, diante daquela conversa. Os moços se esquivam... " Não! Não, de jeito nenhum! É outra a situação, meu senhor!)

Aluno 6 - Ah, sim os jovens... todos vocês precisam dos nossos olhos e da nossa  força para avistar e mover o bote até a terra! ( Declara todo empolado um praticante de jiu jitsu, batendo no peito )

Aluna 7 - Então, os mais gordos e apetitosos!

aluna 2 - Peguem os inúteis contemplativos e líricos! (  e arranca um livro das mãos da aluna 4 )

Aluna 4 - Nem pense nisso! alguém tem que lhes contar histórias e declamar versos enquanto o salvamento não chega!


A narradora levanta meneando a cabeça com ar de reprovação :

 - Que dilema! Quem serviria de almoço? Quem serviria de jantar?  A primeira classe sempre tão preocupada! A segunda, tão ocupada... a terceira...nunca fala nada?  

E volta a posição de expectadora ).

Aluno 1 - Aí, mano, se liga! Desse palavratório quero saber... como vai ficar esse babado? Se as "damas" não podem, quem vai para o facão?

Aluno 5 - Senhores - critério! Estamos decidindo um critério para escolher quem será sacrificado pela causa da vida! Será o símbolo da nossa liberdade! Poderá ser homenageado com uma data no calendário, ser imortalizado: nomear rua,  praça, alguma escola!  Estamos indecisos!

Aluno 1 - Belê... Tá decidido. Os indecisos, mano!

( Rebuliço, protestos, revanchismos... levantou-se o ajudante de maquinista ... )

Aluno 8 - "Náufragas e náufragos - neste barco só existe uma divisão real, e é a única que conta quando a situação chega a este ponto. Não é entre velhos e jovens, gordos e magros, poetas e atletas, crentes e ateus... É entre minoria e maioria." (    E, aponta para a primeira classe, grita ) -Vamos comer a minoria!



O Natalino - o chefe de cozinha - já se sentindo indispensável é chamado pelo aluno 8  a opinar... então, aperta pernas daqui, costelas dali, enquanto se ouve Ai! Ui! Sai! )


( A narradora levanta-se surpresa e aponta alguma coisa sem conseguir falar...
 no rebuliço, o bote tomba e todos são lançados ao mar... )


Narradora vira para o público novamente e, conclui desolada:

"Bom, o fim da história? Todos foram devorados pelos tubarões que, como sabemos, não têm distinções de classe e não têm nenhum critério!"

( ao fundo, os demais se debatem e fingem fugir dos tubarões. Fecham-se as cortinas. )

Veja:

quinta-feira, 24 de março de 2011

Abstrações...

 "As nuvens do meu céu" - 2011 - Fênix.

O que nos faz Humanos 
é nossa capacidade de sonhar:
criar... 
expressar...
comunicar...


 "A dança do pássaro" - Fênix Cruz, 2011.

Foto montagem  "Solemar" - 2011 - Fênix.

 Foto: "Janela de 1558 - paisagem de agora" - 2011 - Fênix.
Convento da Penha, E.S. - Brasil.

 Foto: "A carinha  sorridente:  a arte do copo " - 2011 - Fênix.

" Na arte tem importância os que criam almas,
e não os que reproduzem costumes.

Eça de Queirós
Escritor português 


( Extraído de "Viver com Sabedoria" - Seleções )

sábado, 19 de março de 2011

A verdade está por dentro

 
Pelos nossos erros
Resta-nos pedir desculpas...
Ousamos cometê-los,
Porque insistimos-
Por direito -, em Existir.

Se hoje estamos aqui
Não pode ser “acaso”,
E caso descreia
Nessa teia que é a vida
Siga, só, sua saída...

...sopre, só, sua ferida:
Tão soberbo e enfermo é.
Só quem aprende, ensina,
Pois se dispõe a cada dia
A reescrever a própria fé.

http://www.google.com.br/images?hl=pt-BR&q=fotos+de+sebasti%C3%A3o+salgado&um=1&ie=UTF-8&source=univ&sa=X&ei=iVOFTYeYKcGM0QGQqNnKCA&ved=0CDAQsAQ&biw=1014&bih=544 
  Um bom remédio contra a arrogância é uma... lembrança:
http://fenixcruzengenholiterarte.blogspot.com/2010/07/acerca-do-poder.html 

http://blogflanar.blogspot.com/2011/02/poesia-endovenosa.html 

sexta-feira, 18 de março de 2011

Saraph III

"Círculos" - Fênix Cruz, 2011.


"O seu 'Deus' - a energia que habita o Caos -, 
presenteou os homens com o Cosmos:
E, nem mesmo assim, 
eles puderam compreendê-Lo."

terça-feira, 8 de março de 2011

Do Sangue aos chocolates: uma rosa para esquecer os dias...



Em 1977, a O.N.U. e a UNESCO criaram a data oficial da comemoração que vinha ocorrendo ainda antes de 1910, quando na Conferência Internacional de Mulheres, realizada na Dinamarca, foi decidido que o dia 8 de março seria considerado o Dia Internacional da Mulher. Clara Zetkin escolheu essa data como símbolo da luta da mulher por melhores condições de trabalho. A origem dela, entretanto, é controversa.

A incorporação da mão-de-obra feminina em massa (1), aliada à falta de normas e leis governamentais que protegessem essas trabalhadoras, no geral, permitiu que se formassem condições sub-humanas, de insalubridade e perigos constantes. Tais fatos, logicamente, descontentavam a classe trabalhadora. Nesse contexto, num momento ou outro, insurgiam protestos e explodiam as greves contra as más condições de trabalho(2). Numa dessas insurgências, em 8 de março de 1857, operárias de uma tecelagem teriam sido vítimas de um incêndio criminoso patrocinado pelos patrões e com o apoio da polícia. Para conter as manifestações, eles teriam trancado as portas da fábrica e ateado fogo ao local. Teriam... Discute-se quanto a veracidade desses acontecimentos, pois nas fontes da época, segundo historiadores, nada foi mencionado - o que também não torna a questão encerrada, já que muitos fatos acontecem e são desconsiderados total ou parcial, de forma deliberada ou não, dependendo da abrangência e do comprometimento político que possa causar aos envolvidos, ainda mais se poderosos e / ou influentes. Uma outra vertente defende que a tragédia poderia ter ocorrido em 25 de março de 1911, também numa tecelagem, em Nova York, matando de 146 a 150 pessoas - entre homens e mulheres. Assim,  uma confusão teria surgido entre as datas e, o incêndio da fábrica Triangle Shirtwaist company seria efetivamente o evento inspirador. Todavia, se Clara Zetkin sugeriu 08/03 como a data e, isto, em 1910, temos que admitir um anacronismo: o incêndio da Triangle Shirtwaist ocorreu em 1911. E fica novamente a pergunta...as mortes de mulheres em 8/03 é mito ou história?

Comemoramos alegremente e, muitas vezes, sem saber os motivos históricos que levaram à data. Hoje, não se mostra a fundo a origem sangrenta e a realidade degradante que a inspirou, por sinal, tanto para homens quanto para mulheres em comum explorados. No tocante à luta das mulheres, releva-se os feitos do passado e do presente, dando-se destaque às líderes político/partidárias; artistas; empresárias; gente que no geral está nas mídias de seu respectivo tempo/espaço, como exemplo. Como nos escreveu  Eva Blay, a data tornou-se festiva, com flores e bombons(3)... podemos dizer que é um dia de agrado para compensar 364 de intensa aspereza e sobrecarga, sob a égide da mulher moderna e descolada, enfrentando a violência, jornadas duplas ou triplas de trabalho. Estudando desesperadamente a fim de vencer a desigualdade salarial e cuidar dos filhos e das tarefas domésticas - muitas sozinhas -, ou com companheiros tão instáveis que elas nem ousam contar.

E para finalizar, não podem envelhecer, engordar, devem sorrir sempre e estar dispostas...

Diante de todo o progresso atingido por elas - que invadem os postos de trabalho e os bancos universitários -, ainda estão muito longe dos outros 364 dias no Paraíso. Ao contrário, em evidência, ficam expostas a todas as formas de violência e desrespeito. E se iludem... enxergam principes onde se escondem sapos e sonham...

Ademais, nem tudo está perdido: para aquelas que têm a sorte de serem reconhecidas pelo menos um dia de suas vidas, fica a mensagem de que há os outros dias a conquistar, mesmo que com tanto penar. Para as demais, fica a lição de que amor e respeito nós ensinamos e, que se não são reconhecidas devidamente pelos Outros, é porque precisam antes de tudo:
 
SE RECONHECER E AMAR.

Notas


1 - Acrescente-se também infantil, de ambos os sexos.

2 - Com jornadas com mais de 16 horas, com salários mais baixos do que os dos homens.

3 -  http://www.piratininga.org.br/artigos/2004/01/blay-8demarco.html

http://www.mixpod.com/playlist/78269387

sábado, 5 de março de 2011

Espaços I


"Região do Porto de Santos" ( S.P / Br ), 2011 -  F.C.
Prédios, Mata , galpões, mar, barcos e...bois!

"Um professor pode ser um forte agente de transformação ou, 
por opção, ou por inabilidade reflexiva -
um perigoso soldado do status quo."

quinta-feira, 3 de março de 2011

contextos II

 "A dança do pássaro" - Fênix Cruz, 2011.


"Nunca perca o seu tempo especulando 
o que poderia ter sido: 
contudo, fique atento para o que ainda poderá ser."



O Engenho agradece com muito carinho mais um presente do Arnoldo Pimentel, do blogue "Ventos na Primavera". Ficamos muito contentes com os selos recebidos!



REGRAS
1 - Postar e distribuir os selos indicando o link que o presenteou (fenixcruzengenholiterarte.blogspot.com)
2 - Visitar os blogs dos selos
3 - Ler e comentar o poema, razão do blog existir

quarta-feira, 2 de março de 2011

Documento


As mãos como instrumento:
As artes no pensamento
Ou, as guerras com falho argumento -
Documento.


Qual será o elo
Entre as mãos, o pensamento e o belo?
Entre a dor, o prego e o martelo?
Qual a essência desse intimo duelo?


O coração enjaulado
Resiste, agrupando letras azuladas
Em rascunhos garranchados...


Quebro as engrenagens
Que regram as leituras e as imagens:
E, das entrelinhas, recolho mensagens.


Siqueiros

Miguel Ângelo










Foto: "Oferenda", 2011 - ( F.C)
Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo