"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

domingo, 28 de abril de 2013

A cela


A Cela - foto/edição Fênix ( Gimp)
letra (sem melodia)
Encerra a cela branca
A sangria que não estanca:
Petrifica  o seu olhar.
As horas que se desmancham
- feito as nuvens, sem destino -,
São o meu castigo:

Porque desconheço os anjos,
Qualquer mistério,
Todo sentido.
A razão não cede,
O ego não percebe
Que o dia está partindo.
 
O que separa nunca une.
Outro Sol se vai
Chega a lua - a névoa cai -,
Nossa linguagem nos confunde.
Na cela, a tela,
O que sela os nossos destinos?
Na cela, o que vela
Por nossos perigosos caminhos?


Porque desconheço os anjos,
Qualquer mistério,
Todo sentido.
A razão não cede,
O ego não percebe
Nosso céu está partindo:
Pedaços, pedaços de nós ruindo.













Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo