"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

sábado, 28 de abril de 2012

Delicadezas

Rascunho2, Fênix, 1999.


A atuação do invisível no visível


Trinta raios convergentes no centro
Tem uma roda,
Mas somente os vácuos entre os raios
È que facultam seu movimento.
O oleiro faz um vaso, manipulando  argila,
Mas é o oco do vaso que lhe dá utilidade.
Paredes são massas com portas e janelas,
Mas somente o vácuo entre as massas
Lhes dá utilidade - 
Assim são as coisas físicas,
Que parecem ser o principal,
Mas o seu valor está no metafísico.




O Equilíbrio da vida

O excesso de luz cega a vista.
O excesso de som ensurdece o ouvido.
Condimentos em demasia estragam o gosto.
O ímpeto das paixões perturba o coração.
A cobiça do impossível destrói a ética.
Por isso, o sábio em sua alma
Determina a medida para cada coisa.
Todas as coisas visíveis lhe são apenas
Setas que apontam para o Invisível.


TAO TE KING, Lao Tsé ( Círculo do Livro- Trad. Humberto Rohden)




2 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Muito belo e profundos textos.Beijos

Fênix Cruz disse...

O Taoismo tem fundamentos muito provocantes: o invisível se manifestar por meio do visível é mesmo demais. Imaginar o inverso das coisas, não é? Pra gente é tão mais fácil pensar no eixo e nos raios que são visíveis, não no encaixe das rodas. Entretanto, nada funciona sem nenhuma das partes ou sem o encaixe ( o centro vazio).
Ainda estou lendo mais alguns livros para poder falar do novo tema
( Budismo e Xintoísmo / Japão). O Taoismo tem fortes influências na cultura japonesa. Que bom.

Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo