"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Alucinações carnavalescas

O riso e o pranto, Fênix, 2011.

Letra / melodia: Fênix

O riso há de disfarçar o pranto.
Orfeu há de consolar todo desencanto...
Se a tragédia é grega, brasileira ou mundial
O jeito é recompor e mentir os sonhos no nosso Carnaval.

O paradoxo do palhaço...
Face piedade - um olhar de aço.
É assim, um comediante triste:
Mácula que no fundo, em todos nós persiste.

O riso há de encarecer, minha cara
E Jano há de lhe remover a máscara...
Se a novela é brega, corriqueira ou global
Sobra o torpor desse amor canibal.

Resigna a sílaba, o signo.
Resina Regina não cura alma - que engano!
O riso há de disfarçar o ano.
O riso, o pranto... o riso, o espanto...
... dos desencantos humanos.



3 comentários:

VeraBruxa disse...

Olá!
Deixemos à mostra o riso franco, o choro,...lembrando que em alguns momentos precisamos fazer como o palhaço para preservar os que amamos...
Bom passar por aqui.
Abraço.

Nathacha disse...

adorei:)

seguindo o blog

retribui?

Malu disse...

Um poema tão belo! Sim - o riso, o pranto e o desalento humano nos faz crer que estamos VIVOS...
As feridas doem, mas sempre se fecham... e as cicatrizes, bem, elas são provas de que passamos por esta VIDA e vivemos todas as suas intensidades...
Abraços

Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo