"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

domingo, 30 de junho de 2013

É na Liberdade.

Entardecer. Desenho - Fênix, 2013.

Eu não gosto de comprar nada pela internet. Ainda tenho o velho costume de passear entre as prateleiras, escolher o que quero sem mais retoques na imagem, sem mais idealização de qualquer característica, além daquela que já temos ao nos dirigirmos ao local para a compra. Sempre tenho muita dificuldade em encontrar lojas físicas e, creio que infelizmente, elas estão, mesmo, sobrevivendo à duras penas. Não que não faça a pesquisa primeiro. Visito os sites e depois eu vou. Ando. Faço exercícios e vejo gentes diferentes pelos caminhos. É assim que me sinto bem. Procurando artigos acerca de artes marciais encontrei algumas na Liberdade. Bairro que poderia ser muito lindo, mas que está malcuidado. De qualquer forma, entre algumas poucas lojas encontrei umas que possuem preços e qualidades de produtos diferentes, cabe a quem quer comprar, pesquisar nos endereços e, caso conheça outros endereços (físicos), poderá fazer a gentileza de indicá-los. Ficaremos muito contentes em ajudar a divulgar os lojistas (físicos) a fim de que as pessoas circulem - não só as mercadorias.

A primeira é onde adquiri o meu boken (R$ 61,00) e o tantô (R$18,00).  Na segunda, comprei o hanbo. Na terceira, o tabi. As demais são o bônus.

1 - Loja Oscar - Rua Galvão Bueno, 138. Fica logo após o viaduto, sentido São Joaquim. Encontrei sapatilhas chinesas (R$19,90), a capa protetora  para o boken (tamanhos e preços diferentes), o tantô e  outros artigos. O Shuriken custa R$ 14,00; tsuba de couro R$19,00. Creio que tem um bom preço e vale a pena visitar. Não encontrei site.

2 -  A Profighters - Galvão Bueno, 40, loja 314 ( último piso do Sogo - 32092969). Comprei o meu hanbo. É específica para artigos de A.M. e tem mais variedade de escolha. Boa qualidade e um atendimento ótimo (Simone). Quem tiver paciência de procurar no site http://www.profighters.com.br/. Prefiro ir pessoalmente. É ótimo...

3 -  Na Minikimono podemos encontrar o tabi. Tem também o shinai. Rua Galvão Bueno, 22. http://www.minikimono.com.br/

4 -  Outras lojas interessantes: a - Ponto do Atleta. Vende muitas coisas relacionadas às Artes marciais ( espadas, tsuba de couro; nunchakos, etc) e outros artigos esportivos. Adorei um tênis que, segundo o vendedor, é usado por artistas marciais do kung Fu. Eu não sei, não faço kung Fu. Fica na rua Galvão Bueno, 358 - Loja 2.

b -Na Galvão Bueno, nº 595 (Mix Presentes - fone 32077493), tem uma senhora que mal entende o que a gente fala, mas sorri o tempo todo e está sempre pronta para tentar ajudar. A boa vontade dela vale a visita. Só quando ela não sabe o que fazer, então saca um cartão de outra loja, no shopping Sogo, e pede delicadamente que a gente procure por lá. Deste modo, se quiser alguma coisa olhe a loja inteira antes de ir pensando que não encontrou. Nela tem alguns artigos para artistas marciais. São poucos. A maioria é decorativo, mas tem lá as suas preciosidades.

c - No final dessa andança, suba no sentido da praça da Liberdade e como a melhor pastel de SP ( e deve ser mesmo - que massa! Que recheio!): Yoka - rua dos Estudantes, 37. Feche com chave de ouro comprando guloseimas na Galvão Bueno, 34. Tem produtos orientais importados e de culinária oriental feitos aqui no Brasil 
(obentô, comidas prontas, pães, biscoitos, etc). A Marukai enche os olhos de alegria e dá muita fome...
http://www.marukai.com.br/

d - Leques: são mais em conta nas pequenas lojas e galerias na praça da Liberdade. Para lutas marciais não foi possível encontrar nenhum específico (o tessen), contudo dá para improvisar.

Sábados e Domingos é possível aproveitar as comidinhas da "feirinha da Liberdade". Tem uma variedade grande de produtos artesanais, muitos com a temática oriental. Particularmente prefiro ela à da República, que já foi muito melhor. 

Divirtam-se!





quarta-feira, 26 de junho de 2013

Não provoque: é cor-de-rosa choque...

Cor-de-rosa - Fênix - Gimp - 2013
  
"São tantos os conceitos que inventam

que não se sai do entendimento deles e, 

por isso, também não se chega a lugar nenhum" 

( Fênix - de saco cheio-, literalmente.)




sábado, 22 de junho de 2013

Saraph ( Parte 4 C )

"O corpo da alma" - foto 2011 F.C


(Três meses depois da passagem de Elieser )
"(...) 


- O sentido da vida não pode ser essa luta incessante entre egos construídos sobre vícios passados fundamentados em erros de interpretação. Você me chama, agora, de demônio? Desconheço o que seja isso e, também, não quero explicações. Aliás, Elieser sempre falava deles. Tenho alguma ideia de que não é algo que 'Deus' criaria daquela ou dessa forma...
(…)

- O que fez com ele? Você o matou?

- Oh, não Ruth! Vocês todos se mataram e continuam se matando: a humanidade entrou em guerra contra a humanidade! Eu apenas o levei para a minha casa. Apenas isso. Para ele não havia mais nenhum outro caminho, pois a missão estava terminada.

- Claro... você sempre nos deu trabalho. Diziam que era das mais fracas do grupo. 'Frágil'. Devo confessar que muitas vezes a defendi, nem sei se por consideração ou dó. Mas, eu sei que ele a amava e, que os seus discursos - para o momento inúteis -, o comoviam por dentro. Ele nunca disse nada. Apenas saiba, se for mesmo do bem, que matou alguém que a amava de verdade! Ai... quanto sangue! É estranho... é muito estranho estar aqui definhando sem dor... é... acho que não tenho mais uma gota de sangue, não é? O que fez? Só parou a dor para me oferecer outra chance? Fale! Pare de me olhar com esse ar angelical! O que está acontecendo? Por favor, por favor, por favor não seja cruel...

- Sim, ele me amava. E eu a ele. Contudo, o meu amor o espera na outra dimensão, como antes dele precisar vir para cá. Não lhe pude contar em momento algum, até que o levei de volta e nos separamos novamente...

- Não pode ser... ele não pode ser como você!

- E não é. Tranquilize-se: ele ainda está jovem e como falam por aqui, 'evoluindo'. Não pode ver o que vejo, sentir o que sinto, porque precisa de suas próprias experiencias. Voluntariou-se para isso. O amor, talvez, tenha sido o único elo que nos ligou neste mundo. Nem mesmo o Mestre ousou 'apagá-lo' das memórias dele, na 'passagem'. É bonito, não é, Ruth? Quando eu puder voltar, irei reencontrá-lo e ele estará me esperando já consciente.

- Você está me enganando...não pode me enganar! Você – a retardada -, que sempre só soube sorrir, mesmo envelhecendo visivelmente diante do sofrimento de todos, inclusive do seu? Ninguém nunca lhe deu nenhum valor! Aparece aqui para me dizer que é um anjo, que matou o meu marido, levou Elieser e precisa de mim?

- É, sei disto, Ruth. Repito: eu não matei o seu marido e nem Elieser. O seu mundo está em guerra mundial. Algumas poucas pessoas de coração impuro e nos lugares chaves errados conseguiram desencadear o caos, no sentido 'humano' de caos. Fui clara? Minha linguagem ainda se adapta à de vocês. Creio que tudo foi muito rápido e não tive o tempo necessário de estudá-los para me fazer compreender. Mas, o caminho se faz percorrendo. E estou aqui contando com a sua força. Do mais, sei que nunca concordou com eles, embora também, não me oferecesse a mão. Calasse. Ah, sim... envelheci diante dos impasses que vivi, ciente dos mundos, necessitando me humanizar, sem abandonar minhas memórias e minha missão. A materialização sofreu tais consequências. Não pense que foi fácil abandonar minha vida por esta aqui. E, finalmente, para encerrar de vez com as suas dúvidas, outra lição que o seu mundo me ensinou foi muito simples e útil: a de que todo super-herói parece retardado, não? Não me sinto um deles... sei que estão espalhados por ai com suas vidas aparentemente inúteis, como era a minha, salvando vidas com as suas vidas, com gestos comuns como os de um abraço, um sorriso, uma palavra, um carinho, um conforto. Pessoas anônimas, fracas e frágeis diante de um tapa, de uma guerra, da força bruta. Anti-heróis, na verdade. Invencíveis - frente a escuridão da alma e do espírito inculto. Eles são considerados entraves e panacas. Quando são apenas, visceralmente humanos.

- Eu não sei o que dizer...

- Não diga. Aprenda: eu não sei o que é um Anjo. Não me chame disso. Estou indo.






quarta-feira, 19 de junho de 2013

De olhos bem abertos...


http://www.tribunadoceara.com.br/blogs/nonato-albuquerque/comportamento-2/o-povo-nas-ruas-comeca-a-mudar-o-pais/

Apesar de tudo
Estamos aqui:
Ainda existimos.
Não querem nos ver?

Então, fechem os olhos.
Dispensamos " bandeiras"
Erguemos os braços -
Nossos passos de aço
Não encontram barreiras...

Porque ainda sentimos.
E não querem nos entender?
Já vimos o fundo
Estamos aqui:
 
Então, fechem os olhos.
Nós conseguimos crescer:
Nascemos no asfalto,
O rompemos num salto,
E é nosso florescer.

Vamos embora,
Agora é nas ruas
De olhos bem abertos
E determinação forte

Não querem nos ver?
Ainda existimos,
Apesar de tudo...
Nós vemos vocês.


http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/06/manifestacao-se-divide-em-tres-e-chega-a-avenida-paulista



 Leia mais:

http://www.ebc.com.br/cidadania/2013/06/conheca-as-origens-do-movimento-passe-livre

http://www.mp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=4889

http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/06/entenda-o-que-e-a-pec-37

http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/06/policia-reprime-manifestacao-em-frente-ao-predio-da-prefeitura-de-sao-paulo

 http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/06/entenda-o-que-e-a-pec-37






Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo